• Dr. Douglas Kind Eleutério

Obesidade e doenças cardiovasculares - Vamos falar sobre isto?


Sabemos que a obesidade é associada a maior risco de doenças cardiovasculares e todos os seus riscos, inclusive a morte. Mas é sempre bom falar sobre o assunto, especialmente nos dias de hoje.


Vemos cada vez mais um movimento que busca orientar homens e mulheres a aceitarem o seus corpos, independente do peso.


Claro, por um lado isto é bom, já que há grande estigmatização do indivíduo com sobrepeso e obesidade em nossa sociedade. Os chamados padrões de beleza ditam as regras e acabam por provocar em inúmeras pessoas quadros de reduzida auto-estima, ansiedade e depressão.


Evitar os afeitos nocivos na esfera psicológica não deve, entretanto, levar o paciente a acreditar que não é portador de uma enfermidade. Sim, cada vez mais a ciência nos mostra que a obesidade é uma doença e deve ser tratada de forma intensiva.


E esta visão é corroborada por inúmeros estudos que associam o excesso de peso ao risco de doenças e mortalidade.


Um estudo recente que incluiu revisões sistemáticas e metanálises mostrou, com alguma variabilidade, que um aumento no índice de massa corporal (IMC) foi associado a maiores riscos de doença coronariana, insuficiência cardíaca, fibrilação atrial, acidente vascular cerebral, hipertensão arterial, estenose valvar aórtica, embolia pulmonar e tromboembolia venosa.


O que fazer para tratar adequadamente a obesidade?


O primeiro passo é entender que o processo é longo e requer uma abordagem em múltiplas frentes. Cada paciente pode necessitar de auxílio em um ponto diferente.


O apoio nutricional é fundamental, assim como a prática regular de atividades físicas (para aqueles sem contraindicações).