• Dr. Douglas Kind Eleutério

"Hormônios bioidênticos" e a promessa antienvelhecimento


O que são "hormônios bioidênticos"?


O termo "hormônios bioidênticos" refere-se a substâncias hormonais com estruturas bioquímicas exatamente iguais aos hormônios produzidos pelo corpo humano.


E não se trata de algo novo. Os hormônios vendidos há tempos em farmácias para tratar deficiências hormonais como no hipotireoidismo, na deficiência de hormônio do crescimento, na deficiência de testosterona, entre outros, são todos bioidênticos, já que têm estrutura molecular igual à dos hormônios produzidos pelo corpo.


O problema é que com o grande apelo atual por ganhos estéticos e tratamento antienvelhecimento, o termo "hormônio bioidêntico" foi associado a hormônios manipulados, com doses individualizadas e customizadas, como se fossem uma nova opção, uma grande novidade.


E na verdade, muitos deles já tem doses e formulações padronizadas vendidas em farmácia, com toda segurança de uma medicação regulamentada e liberada por órgãos fiscalizadores para a comercialização.


Assim, pode-se estar comprando gato por lebre. Não há estudos que atestem os benefícios e nem que avaliem os riscos dos bioidênticos manipulados. Além disso, como muitos deles não são controlado pela vigilância sanitária, não se sabe se o que está prescrito está realmente sendo entregue. Bioidênticos manipulados podem, ainda, conter impurezas e contaminações. Vale a pena este risco?


Os médicos cautelosos e preocupados com a saúde dos pacientes geralmente dão preferência aos produtos produzidos pela indústria farmacêutica regulada, onde os riscos de impurezas são menores e as dosagens, eficácia e segurança são testados e comprovados.


Em resumo, os hormônios bioidênticos NÃO são uma novidade. E os bioidênticos manipulados agregam um risco que não vale a pena correr.


A ideia de que os bioidênticos manipulados são naturais, de mais fácil metabolização pelo organismo e que atuam contra o envelhecimento NÃO foi comprovada cientificamente.